20.1.09

Akeelah and the Bee


Vi um filme tão lindo hoje! O título original é "Akeelah and the Bee". A HBO traduziu como "prova de fogo" se não me engano, mas achei outro título na net: " letra a letra" ( na verdade, não sei qual dos dois é pior!) , prefiro o original mesmo!!
Ele conta a história de uma menina de 11 anos, Akeelah, negra e de uma família de classe baixa, que estuda numa escola muito carente e não tem nenhum estímulo pra assitir as aulas devido à falta de desafios para ela, um coach de crianças para o famoso concurso do spelling bee a descobre e a ajuda a vencer todos os seus obstáculos, familiares, psicológicos e sociais para chegar à final nacional desse disputado e popular torneio de soletração nos Estados Unidos. ]
O mais bonito no filme é justamente essa luta contra os preconceitos, não só raciais, mas principalmente interiores, preconceitos que, as vezes, as pessoas têm contra elas mesmas, pessoas que não acreditam em si mesmas, que cedem à pressão da sociedade e se submetem aos seus rótulos.
Na primeira aula com esse coach, ele faz Akeelah ler a seguinte citação de Marianne Williamson:



“Our deepest fear is not that we are inadequate. Our deepest fear is that we are powerful beyond measure. It is our light, not our darkness that most frightens us. We ask ourselves, Who am I to be brilliant, gorgeous, talented, fabulous? Actually, who are you not to be? You are a child of God. Your playing small does not serve the world. There is nothing enlightened about shrinking so that other people won't feel insecure around you. We are all meant to shine, as children do. We were born to make manifest the glory of God that is within us. It's not just in some of us; it's in everyone. And as we let our own light shine, we unconsciously give other people permission to do the same. As we are liberated from our own fear, our presence automatically liberates others.”




Você já sentiu isso? Não medo de fracassar, de ser inadequado, mas sim de vencer, de ir além, de brilhar e não saber lidar com isso ? Já parou pra pensar que ser medíocre( medíocre quer dizer mediano, nem bom, nem ruim, mas já tomou uma conotação negativa no português: insignificante), ou ainda pior, se pequeno, não traz nada de positivo para o mundo, não serve a nenhum propósito? Somos filhos de Deus e nascemos para brilhar, para manifestar Sua Glória, que está dentro de todos, todos nós, portanto, pensemos grande, sejamos grandes, sejamos vencedores todos nós, só assim, faremos jus ao Seu propósito ao nos trazer a esse mundo.

Um comentário:

Danyelle de Oliveira Santos disse...

Ainda não vi esse filme...
Vou ver!
Aliás, nessas férias, sem viajar, estou assistindo tanto filme... Bom........
Um que eu quero assistir é Escritores da Liberdade. Vc viu?