23.11.09

Martha Medeiros ( o retorno!)

Alguns comentários sobre o post anterior foram tão pertinentes e consistentes (bem do jeito que eu gosto, adoro quando as pessoas realmente leem os posts e comentam com conteúdo!) que me fizeram querer escrever um post sobre minhas visões a cerca da personagem do texto em questão.


Antes de mais nada, quero bajular a  Martha um pouquinho mais, ela é  maravilhosa mesmo, para aqueles que ainda não a conhecem muito bem, vale a pena pesquisar um pouco mais, conhecer mais de seus escritos, principalmente as mulheres, todos os seus textos falam diretamente à alma feminina. 
 



Quanto à descoberta, ou redescoberta da personagem, realmente não devemos nos abandonar tanto em prol de outro, concordo plenamente, principalmente porque, quem não se ama, não consegue ser amado por outro, pelo menos assim eu penso, outros podem sentir pena, carinho, vontade de cuidar e proteger, mas não amar verdadeiramente, amar imbute em seu sentido o respeito e a admiração, entre outros sentimentos. No entanto,  todos nós também sabemos que, as vezes, alguns amores e dissabores nos consomem tanto, que acabamos por esquecer de nós mesmos. Quem já não viveu, ou ao menos presenciou pessoas vivendo relacionamentos nos quais elas se anulavam completamente para viver pelo outro, por mais absurda que toda a situação fosse para aqueles de fora; quando isso acontece, costumamos até dizer que "o amor é cego", não é mesmo? As vezes, nos deixamos cegar pelo amor, mesmo inconscientemente.


Precisamos de um balde de água fria sobre nossos corações para esfriá-los um pouco, acalmá-los, para que o vapor deixe de cegar nossos olhos e nos permita olhar novamente ao nosso redor, inclusive para nós mesmos. Por mais desgastante que um relacionamento como esses possa ser, ele não deixa de ser confortável, cômodo. Podemos nos considerar modernas e independentes, mas no fundo, mesmo que não admitamos, todas nós mulheres procuramos um relacionamento estável, um companheiro para todas as ocasiões, e muitas vezes, achamos que faz parte de nosso papel de esposa "aguentar" algumas situações menos idealizadas e romantizadas por nossas cabecinhas femininas. Por mais moderna que nossa sociedade tente parecer, ainda espera-se que a mulher seja o porto seguro do casamento, aquela que tem a sabedoria para aguentar as tormentas até que o mar se torne sereno novamente. É comum ouvirmos todo o tipo de frases prontas sem sentido que tentam nos colocar em uma suposta posição de comando no casamento, um comando escondido, secreto, como se o marido nunca pudesse imaginar que na verdade quem manda no relacionamento é você ; lembro de uma dessas frases que diziam por aí " O homem é o cabeça do relacionamento, mas a mulher é o pescoço, ela vira a cabeça para onde quer." Quanta estupidez!

Por que será que em nossa sociedade todo o tipo de relacionamento tem que ter um chefe? Um líder? Um cabeça? Por que não podemos ter posições de igualdade? Igualdade de idéias, opiniões e decisões? Por que em um casamento um dos dois tem que mandar? Marido e mulher não deveriam estar lado a lado, ao invés de um à frente do outro? Esse assunto realmente me desgasta profundamente, além de me irritar ao extremo!


Voltando ao texto da Martha, realmente ele acabou meio que indiretamente, fazendo um bem para ela; pois, ao abandoná-la, permitiu que ela voltasse a se enxergar e a regar seu próprio jardim que andava seco e infrutífero. O relacionamento dos dois estava mesmo fadado a fracassar, se eles não estão em pé de igualdade. Na verdade, ela não se achava tão boa quanto ele, ela decidiu que precisava ser uma mulher melhor para ele, porque no fundo ela sabia o quanto de si própria ela tinha deixado de lado por conta desse suposto amor.


Portanto, amigas, não abandonemos a nós mesmas em prol de ninguém, e quando digo ninguém, incluo até nossos filhos, devemos nos dedicar incondicionamente a eles sim, mas sem esquecermos nunca de nós mesmas. Precisamos nos manter apaixonadas por nós mesmas para que possamos continuar irradiando esse sentimento a todos a nossa volta. Lembre-se que "Se você não se amar, você nunca será capaz de amar ninguém" , quanto mais fazer com que os outros o amem.






17 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Muito bom seu texto! Concorco muito com o que disse principalmente quando diz que precisamos nos valoriar pra conseguir amar alguém... que no amor não tem um líder, mas duas pessoas que andam juntas e a melhor de todas e que poucas vezes vi escrito, amor precisa de respeito e admiração... Sim, só amamos uma pessoa quando a respeitamos e a admiramos...

Beijocas

Dany disse...

Que bom que vc voltou!!!!!!!!

Sobre o texto, vou te dizer uma coisa que pode até parecer mentira, mas é verdade... Eu e Renato tentamos sempre conversar sobre tudo, sabe? E dessa forma, não há líder aqui em casa. Juro. (Só um tiraninho chamado Caio). Nós dois decidimos tudo juntos. Ele não é machista at all! Ele gosta de compartilhar tudo, assim como eu. No dia que ele comprou o carro, ele me ligou: "Que cor??"
Eu disse: "ah, sei lá... vc que sabe... vc que tá comprando."
Mas eu achei muito bonitinho ele pedir minha opinião sobre uma coisa que é dele!

Bjs!

Desabafando disse...

estou virando fã da Martha Medeiros. Eu me identifiquei com alguns trechos e concordo totalmente que pra que um relacionamento funcione bem é preciso que um caminhe ao lado do outro em igualdade. E isso não é válido apenas pra relacionamentos amorosos mas pra amizades também. Já descartei alguns amigos cuja única preocupação era estar sempre a frente de todos...aí deixa de ser algo saudável pra virar competição. E se um está competindo pra ver quem é melhor que o outro como construir um relacionamento em que haja respeito, compreensão, carinho e preocupação com o outro? Fica complicado.

sobrefatalismos disse...

A Martha Medeiros é ótima. Veio como um presente, em formato de livro, naturalmente falando. Ganhei Doidas e Santas de um grande amigo, ele disse que a Martha é sua segunda cronista favorita.
A primeira sou eu, haha.
Beijos.

Carla Martins disse...

Assino embaixo!! Amei o post!!!

beijinhos

Ricardo Calmon disse...

Olá, mininina escriba,.Katia chamada e amada por irmãos seguidores seus,obrigado por texto ete de Martinha transcrito,ela é sempre docemente contundente,ami post esse,assim como comentário seu em campos meus de girassois,estilo esse ,de e do escrever,oriundo é de tres fontes,a literária,(Boal,entre outros assim escreve Augusto)o neuro linguistico científico (cérebros estilosos rerere)e o espiritual,quando digo isso,alguns dizem que louco soy,mas non é vero,maluquinho sou sim,como velho mininui ,neófito da de escrever,seguindo mestras como ocê,em ser mulher,eposa,filha e mãe,além de Mestra Ser em mission sua! arte,essa do viver ,voce é simples e doce,uma semeadora pessoa!

respeito ,ternura e pazzzzzzzzz!


Viva Vida!

bzu mãos suas!

Lulu on the Sky® disse...

Costumo dizer q o primeiro e último amor é o amor próprio.
Big Beijos

Viviane Patrice disse...

oie, passando por aki p dividir minha alegria com vc. Meu blog completou 10 mil visitas. Ofereço o selo comemorativo. bjs

Professora Graciele disse...

Kátia querida. Vim retribuir seu carinho e desejar uma linda semana para vc. Fico sempre muito feliz em receber sua visita. Brevemente irei ativar os comentários dos posts. Bjos no seu coração.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Olá Katia.

Sou professor em Fortaleza e viajando pelos mundo dos blogs cheguei neste espaço.
Penso que além de todos os méritos desta postagem, o mais bonito de tudo é o elogio.
Elogio que transforma e que tem como maior mérito, o de divulgar o belo, o que é útil, o que inspira a vontade de aprender.
Penso ser este o compromisso maior de quem faz um educação que transforme vidas.

Voltarei outras vezes.

Parabéns

Bleeding Angel disse...

Eu acredito na teoria de q: ngm pode oferecer o q naum possui.
Seria o msm q pedir pao a um mendigo... Naum levo fe em relacionamentos onde alguem se anula, isso naum eh amor, mtas vzs as mulheres os fzem por comodismo msm, afinal, pra mtas parece ser mais facil viver de aparencias do q ter q enkrar a real.
Mas isso naum ocorre apenas com relacionamentos afetivos, vc citou os filhos tbm, e eh vdd, tem maes q se anulam pelos filhos e tem gnt q se anula tbm por alguma amizade, enfim... eh preciso ter amor por si proprio primeiro pra dpois poder ser capaz de amar ao outro, kso contrario, eh obsessaum ou comodismo apenas.
Bjos anjo

Marcelo disse...

Bom Dia, Venho hoje avisar que os Jogos Natalinos estão abertos no kriativa games. Passe lá conferir como funcionará e o cronograma e deixe a resposta para a perguntinha inicial. Bjos

Everson Russo disse...

No amor nessa vida algumas coisas são complicadas, tipo dizer eu te amor e ouvir eu te amo, a gente nuca sabe a hora certa, se é que ela existe, e estamos sempre em conflitos internos....beijos e um belo dia pra ti.

❀ Déia Musso ❀ disse...

Kátia,
vim retribuir a visitinha e já amei tudo por aqui simplesmente!!!
Vou te seguir e linkar, ok?
Tenha uma linda terça...

bzoo

Lúcia disse...

Ótimas postagens, tanto essa como a anterior. E concordo plenamente com a Martha e com vc. Mesmo na melhor das intenções, não podemos nos deixar de lado, não vale a pena, o preço é alto demais e pode ser que nunca mais voltemos a ser o q éramos antes. Abração

Alline disse...

Kátia, eu já me abandonei algumas vezes por amor, ou por neurose, não sei mais. E não culpo só o outro, pois também fui fraca e contribuí para minha infelicidade. Relacionar-se é uma coisa doida, complexa e... maravilhosa.
Não devemos desistir nunca da felicidade. Sozinhas ou acompanhadas.

Beijão pra ti!

¤(`×[¤ Juzinhah ¤]×´)¤ disse...

Li agora o post anterior e esse... martha parece dizer sempre aquilo que muitas vezes as coisas para as quais fechamos os nossos ouvidos, né? O que mais tem por aí é mulher vivendo em função de homem, e acho que todas deveriam ler esse texto diariamente para que voltassem para si! não dá para ter relacionamento onde alguém é mais que outro!